replica handbags replica handbags louis vuitton replica handbags 350-001 350-018 350-029 350-030 642-813 642-832 646-206 642-902 640-553 640-554 640-721 640-816 70-270 70-412 70-642 70-680 c2090-303 c4120-782 c2180-276 c4040-122 c4040-123 c4040-124 c4040-221 c4040-224 220-701 220-702 220-801 220-802 225-030 640-554 640-721 640-760 640-802 640-816 640-822 640-863 640-864 642-813 642-832 640-461 640-553 640-554 640-721 640-760 640-802 640-816 640-822 642-813 1z0-024 1z0-025 1z0-026 1z0-027 1z0-030 1z0-031 1z0-032 1z0-033 1z0-034 1z0-035 1z0-036 1z0-040 1z0-041 1z0-042 1z0-043 1z0-046 1z0-047 1z0-048 1z0-050 1z0-053 100-101 200-101 200-120 350-001 350-018 350-029 350-030 350-050 350-060 640-460 640-461 640-553 640-554 640-816 640-822 640-863 642-813 642-902 642-832 70-412 1y0-a26 156-215-71 117-202 117-102 117-101 642-584 642-416 6402 000-540 1y0-a21 1y0-a19 1y0-a20 1y0-256 1y0-223 1y0-222 pk0-003 sy0-301 n10-005 ht0-201 225-030 648-232 646-048 1z0-597 acsm 646-048 644-066 642-416 3i0-012 312-50v8 1d0-610 156-315-75 000-540 pmi-001 vcp-510 000-105 000-089 000-080 000-017 70-412 70-411

Notícias

gerardo burmester - as cores não dizem nada - centro de arte contemporânea de bragança

 

Gerardo Burmester
“As Cores Não Dizem Nada”
Centro de Arte Contemporânea de Bragança

No próximo dia 30 de Junho de 2008, pelas 18h00, inaugura o novo Centro de Arte Contemporânea (Núcleo de Exposições Temporárias) de Bragança em cerimónia presidida por Sua Excelência, O Primeiro Ministro, Engº. José Sócrates.

Um projecto do Arqtº. Souto Moura, que acolherá a Exposição “As Cores Não Dizem Nada” de Gerardo Burmester, organizada pela Fundação de Serralves.

Gerardo Burmester inicia a apresentação do seu trabalho na segunda metade da década de 70, desenvolvendo várias acções performativas e configurando uma obra pictórica que associa referências neoromânticas à crítica irónica da condição da pintura e dos seus temas na situação portuguesa e internacional do momento. Em finais da década de 80, a obra de Burmester passa a utilizar o objecto e a instalação espacial como propostas de um teatro dos lugares por ela reinventados, aproximando e distanciando o espectador em jogos de sedução visual tão atractivos quanto frios no perfeccionismo intocável dos materiais utilizados: madeira folheada, alumínio polido, feltro industrial.
No trabalho especificamente realizado para o Centro de Arte Contemporânea de Bragança, o artista apresenta um conjunto de elementos coloridos de alumínio polido cujos volumes pontuam o lugar num itinerário que tanto reflecte a imagem do espectador como sublinha a exterioridade deste em relação ao alinhamento daqueles no espaço.

 
 
 

2015 GALERIA FERNANDO SANTOS

all rights reserved © web project see link