replica handbags replica handbags replica handbags replica handbags replica handbags replica handbags replica handbags
1y0-a25 70-413

70-646 70-640 Pass CCIE R&S lab
replica handbags replica handbagsreplica handbags replica handbags replica handbags fendi replica handbags replica handbags Microsoft MB2-703 Microsoft 070-411 burberry replica handbags ysl replica handbags replica watches replica handbags replica handbags
replica watches replica handbags replica handbags louis vuitton replica handbags hermes replica handbags replica watches replica watches replica watches replica watches 220-802 exam 400-101 exam 646-206 exam 700-501 exam 70-461 exam

Notícias

gerardo burmester - as cores não dizem nada - centro de arte contemporânea de bragança

 

Gerardo Burmester
“As Cores Não Dizem Nada”
Centro de Arte Contemporânea de Bragança

No próximo dia 30 de Junho de 2008, pelas 18h00, inaugura o novo Centro de Arte Contemporânea (Núcleo de Exposições Temporárias) de Bragança em cerimónia presidida por Sua Excelência, O Primeiro Ministro, Engº. José Sócrates.

Um projecto do Arqtº. Souto Moura, que acolherá a Exposição “As Cores Não Dizem Nada” de Gerardo Burmester, organizada pela Fundação de Serralves.

Gerardo Burmester inicia a apresentação do seu trabalho na segunda metade da década de 70, desenvolvendo várias acções performativas e configurando uma obra pictórica que associa referências neoromânticas à crítica irónica da condição da pintura e dos seus temas na situação portuguesa e internacional do momento. Em finais da década de 80, a obra de Burmester passa a utilizar o objecto e a instalação espacial como propostas de um teatro dos lugares por ela reinventados, aproximando e distanciando o espectador em jogos de sedução visual tão atractivos quanto frios no perfeccionismo intocável dos materiais utilizados: madeira folheada, alumínio polido, feltro industrial.
No trabalho especificamente realizado para o Centro de Arte Contemporânea de Bragança, o artista apresenta um conjunto de elementos coloridos de alumínio polido cujos volumes pontuam o lugar num itinerário que tanto reflecte a imagem do espectador como sublinha a exterioridade deste em relação ao alinhamento daqueles no espaço.

 
 
 

2013 GALERIA FERNANDO SANTOS

all rights reserved © web project see-link®