replica handbags replica handbags replica handbags replica handbags replica handbags replica handbags replica handbags
1y0-a25 70-413

70-646 70-640 Pass CCIE R&S lab
replica handbags replica handbagsreplica handbags replica handbags replica handbags fendi replica handbags replica handbags Microsoft MB2-703 Microsoft 070-411 burberry replica handbags ysl replica handbags replica watches replica handbags replica handbags
replica watches replica handbags replica handbags louis vuitton replica handbags hermes replica handbags replica watches replica watches replica watches replica watches 220-802 exam 400-101 exam 646-206 exam 700-501 exam 70-461 exam

Notícias

João Louro - When Fashion meets Art - Fashion Clinic

Encontros Imediatos
por Irina Chitas
Vogue Portugal

"-Qual foi a sua primeira interpretação quando confrontado com o mote “When Fashion meets Art”?
Foi um sentimento de satisfação... O que já acontecia noutros países,com marcas conhecidas, estava a começar a fazer-se em Portugal. Foi um sentimento de alegria... Melhor, de alívio: Finalmente!

-Quando foi convidado para abrir uma exposição com este tema, de que forma fez a seleção das peças a exibir?
Não foi o tema que disparou o gatilho. O tema dá uma moldura geral à intervenção, ou futuras intervenções, tal como a Fashion Clinic concebe a  sua “Concept Store”. Tudo o que se fizesse nesse espaço, segundo este  conceito seria, inevitavelmente, o encontro da Arte com a Moda. A motivação foi antes um binómio de duas perguntas: O que é a Fashion Clinic, por um lado; e quais as características da arquitectura do espaço, pelo outro lado. Essas eram as perguntas que eu fazia. Foi a partir daí que defini as obras a expor.

-Encara a Moda como uma forma de arte?
Todo o processo criativo é um fenómeno de arte.
Ou melhor, eu não distingo fronteiras na expressão da arte. Não sou corporativo: escultura, fotografia, pintura, cinema, moda, etc. são meios para falar do nosso tempo e todos eles colaboram no fenómeno mais lato que se denomina Arte. E mais do que as várias disciplinas que formalizam o fenómeno, o que me interessa é a produção de emoções, o observar os sinais do tempo, bem como, ter e guardar memória. Isso é que é para mim Arte! E se contiver estes factores é de certeza Arte!

-Existem cada vez mais exposições que levam a Moda aos museus. Qual é a importância de, de uma forma inversa, levar a arte a um local de consumo de Moda?
A meu ver, são fenómenos completamente diferentes. A moda chega aos museus quando alcança, ou lhe é concedido o estatuto de arte: Arte com propriedade. E dessa forma transforma-se numa expressão, de um par entre iguais.
Quando a arte chega aos espaços de consumo de moda, como lhe chamou, devo antes de tudo, alertar para o perigo de uma possível ilustração. Um  artista não deve, arrisco a dizer, não pode, “decorar espaços”. Deve  interagir com os espaços, saber potencializá-los e deve envolver todos  os espectadores, que são espectadores inadvertidos. Essa deve ser a  razão principal numa intervenção de um artista num espaço comercial. É, no fundo, “sequestrar” a atenção de um público inesperado e entregar-lhe uma emoção, uma pergunta, uma dúvida, transformando o seu papel, mesmo  que momentaneamente, de consumidor para espectador, através da interacção com a arte. E, nesse sentido, a arte que sai dos museus e das galerias, ganha novos territórios, ganha novos espectadores.

-As novas tecnologias levaram a Moda de paixão de uns a fascínio de todos. Não será o interesse por parte dos museus mais comercial que intelectual?

Discordo totalmente. Como disse a Moda atingiu, foi-lhe atribuída, alcançou, como lhe quiserem chamar, um estatuto no universo da arte. Alcançou-o de forma natural e não lhe encontro qualquer presunção, ou “moda” da Moda. Está nos museus por direito próprio.

-Poderão a Moda e a Arte interagir de forma natural, sem que interesses monetários sejam o mote da relação?

Do ponto de vista criativo estou absolutamente convicto disso. O mundo das ideias não exige essa mediação de valor de que fala. Depois, claro, há que dar valor às coisas... Mas isso tem que ver com a forma como nos organizamos socialmente e de que maneira a sociedade ocidental atribui valor às coisas. A atividade criativa é, talvez, a actividade que mais dificilmente lida com esse fenómeno, porque é a atividade humana mais próxima da liberdade absoluta. Atribuir valor à liberdade é tão difícil que, arriscava dizer, não tem valor, é o que lhe quisermos dar.

-Qual é o papel de um artista que não está diretamente ligado à Moda, nesta discussão conceptual entre duas áreas ligadas por um cordão  umbilical?

Há de facto um cordão umbilical entre as áreas no universo da arte. Mas há uma fonte comum, que é o nosso tempo. E, nesse sentido, o papel que me interessa, o único papel fundamental do artista, é o de se manter atento aos sinais do tempo. Essa é a única maneira de deixar memória e de ser absolutamente contemporâneo."

 
 
 

2013 GALERIA FERNANDO SANTOS

all rights reserved © web project see-link®